domingo, 5 de setembro de 2010

Alheio ao ... está Tu? EstoU.

Dizem que o livro, o paraíso, está lá em cima
Mas vou lançar mão de todas as armas
Para permanecer perenemente aqui
Na vida, na história, na memória
De uma grande mulher, de uma família
Um país, o mundo ou o meu cachorro
Seja o que for, eu não vou! ...

Não basta só fechar os olhos
Não resolve relaxar o corpo e fingir
Esperando o sono vir e te pegar
O sonho virá, e não irá se cumprir
Enquanto você não despertar

Agora acorde!
Aponte a face para a frente de batalha!
Tome fôlego, você não é mais forte
Mas tem a capacidade de brigar
Dessarte, realizar

Agora lute!
E não desista até estar com a mortalha!
Porque de qualquer forma esse dia virá
E se não batalhou se arrependerá
Vai partir só e sabendo que poderia ganhar

Agora vibre!
Não convém dizer o que você trouxe da luta
Se voltou com a alegria da vitória: já é um herói
Deve reconhecer os passos do inimigo
Para sentir orgulho de tê-lo vencido

Agora vibre!
Não convém dizer o que você trouxe da luta
Se sobrou a amargura da derrota: deve reconhecer
E será um herói
Um mártir da coragem, veterano do saber
Porque a cada tropeço, o importante é aprender

-----------------------

Desenterro mais uma "velharia". Poesia em blog penso que é sempre algo para ninguém ler mas, ao menos, deixo arquivado aqui. Não lembro o ano mas eu devia ter entre 13 e 17 anos. é isso? sei lá rs... Na época, em Cascavel, uns amigos (Diogo no baixo, Ronaldo Guino na guitarra, "Miolo" no teclado e o outro Lucas na bateria) tinham uma banda de rock chamada Capitania, estilo anos 80 de influências como Engenheiros do Hawaii, Titãs, Legião, Paralâmas, Aborto elétrico e coisas do tipo. E daqui de Londrina eu lhes enviava algumas letras ou viagens do tipo, embora a maioria talvez agente acabava criando coletivamente. Chegaram até a musicar algumas e sempre foi muito divertida essa relação e a perspectiva de produzir sempre algo para dar vazão as nossas inquietações.

Um comentário:

koisarada disse...

Legal cara.
Recordar é viver.
Abração