quinta-feira, 13 de novembro de 2008

É rápido, mas não vai doer

Texto do Neto, diretor de criação e sócio da Bullet, sobre a crise mundial.

"Vou fazer um slideshow para você.
Está preparado? É comum, você já viu essas imagens antes.
Quem sabe até já se acostumou com elas.
Começa com aquelas crianças famintas da África.
Aquelas com os ossos visíveis por baixo da pele.
Aquelas com moscas nos olhos.
Os slides se sucedem.
Êxodos de populações inteiras.
Gente faminta.
Gente pobre.
Gente sem futuro.
Durante décadas, vimos essas imagens.
No Discovery Channel, na National Geographic, nos concursos de foto.
Algumas viraram até objetos de arte, em livros de fotógrafos renomados.
São imagens de miséria que comovem.
São imagens que criam plataformas de governo.
Criam ONGs.
Criam entidades.
Criam movimentos sociais.
A miséria pelo mundo, seja em Uganda ou no Ceará, na Índia ou em Bogotá sensibiliza.
Ano após ano, discutiu-se o que fazer.
Anos de pressão para sensibilizar uma infinidade de líderes que se sucederam nas nações mais poderosas do planeta.
Dizem que 40 bilhões de dólares seriam necessários para resolver o problema da fome no mundo.
Resolver, capicce?
Extinguir.
Não haveria mais nenhum menininho terrivelmente magro e sem futuro, em nenhum canto do planeta.
Não sei como calcularam este número.
Mas digamos que esteja subestimado.
Digamos que seja o dobro.
Ou o triplo.
Com 120 bilhões o mundo seria um lugar mais justo.
Não houve passeata, discurso político ou filosófico ou foto que sensibilizasse.
Não houve documentário, ong, lobby ou pressão que resolvesse.
Mas em uma semana, os mesmos líderes, as mesmas potências, tiraram da cartola 2.2 trilhões de dólares (700 bi nos EUA, 1.5 tri na Europa) para salvar da fome quem já estava de barriga cheia."
Como uma pessoa comentou, é uma pena que esse texto só esteja em blogs e não na mídia de massa, essa mesma que sabe muito bem dar tapa e afagar. Se quiser, repasse, se não, o que importa? O nosso almoço tá garantido mesmo...


----------

E um vídeo que ví, achei o final muito happy end viajado, + gostei de muitas coisas: O buraco branco no espaço

10 comentários:

V.H. de A. Barbosa disse...

Incrível como até o pavor pode ser relativizado.

Aqueles que estão prestes a morrer de fome, em sua agonia, valem menos do que executivos bem trajados, que roem as unhas pelo ultraje de perder alguns milhõezinhos de dólares.

Viver Sustentável disse...

vou linkar seu texto, Lucas.

porrêta.

Lucas disse...

é. incrível. valeu pelo link! ; ) textinho bom mesmo, vale a pena divulgar.

Daniel disse...

realmente muito bom mesmo....vou linkar seu blog tb...

vlw lucas

Lucas disse...

valeu daniel, curti seu blog, linkei aqui também. um abraço!

helan disse...

I recently came accross your blog and have been reading along. I thought I would leave my first comment. I dont know what to say except that I have enjoyed reading. Nice blog. I will keep visiting this blog very often.


Barbara

http://www.ipodepot.info

Lucas disse...

Thank you Barbara. You are welcome. E uatarrél, como você consegue ler em português? isso é sério ou é só propaganda?

Marcos Guerra disse...

Bacana o seu Blog, quanto mais gente falando da cidade melhor...

Dê uma olhadinha no meu blog:

http://viverlondrina.wordpress.com

Danila disse...

Caros colegas,

Participem do 1º CICLO DE FILMES E PALESTRAS DO CINE-CLUBE SOCIOAMBIENTAL CRISANTEMPO


26 de novembro, às 19h30

No evento desta quarta-feira, a proposta é compreender os impactos da exploração atual dos recursos energéticos e dialogar sobre as formas menos nocivas de produzir energia a partir de fontes renováveis, a fim de garantir um planeta sustentável para as gerações futuras.


26/11 Passado, presente e futuro das matrizes energéticas Filme: Energia na encruzilhada 56’

Convidados: Délcio Rodrigues e José Domingos Vasconcelos

Délcio Rodrigues é físico, ambientalista e diretor de campanhas do Greenpeace Brasil. Pesquisador associado do Instituto Vitae Civilis e do Instituto de Física da Universidade de São Paulo, coordena o projeto Cidades Solares, que é uma iniciativa do Departamento Nacional de Aquecimento Solar (DASOL), da ABRAVA – Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento – em conjunto com o Vitae Civilis, ONG socioambiental que tem como objetivo sensibilizar a sociedade brasileira e os poderes públicos municipais, por meio de seminários, para a criação de leis de incentivo ao uso de aquecimento solar.

José Domingos Vasconcelos é professor de física, pós-graduado em Planejamento Energético na USP, consultor do MEC para as conferências ambientais destinadas ao público infanto-juvenil, pesquisador e autor de livros didáticos de ciências na Sangari do Brasil e diretor do Instituto Ágora.



Energia na encruzilhada
(Energy Crossroads: A burning need to change course)
País: EUA
Ano: 2007
Duração: 56 minutos
Direção e produção: Christophe Fauchere
Sinopse: O que transformou os Estados Unidos em uma potência mundial nos últimos cem anos pode ser a causa de sua ruína no século 21, se as orientações socioambientais planetárias não mudarem de condução. Esse é o tema do filme, inédito no Brasil, que discute a corrida global pelo crescimento energético e a mudança climática. Ambas representam os maiores desafios da humanidade. No filme, cientistas e pesquisadores propõem o uso da energia renovável, aliada a uma conservação ambiental de maior eficácia, de modo a conquistar a sustentabilidade terrestre para o futuro.

Trailer: http://www.youtube.com/watch?v=OHBM9OS0cOU

Link:http://www.amazon.com/Energy-Crossroads-burning-change-course/dp/B000SNWA2A/ref=sr_1_1?ie=UTF8&s=dvd&qid=1224178908&sr=1-1

Site Oficial: http://www.energyxroads.com/




O Cine-clube Socioambiental Crisantempo toma a iniciativa de apresentar e discutir filmes que tratam dos principais temas-desafios sociomabientais da atualidade.
O 1º Ciclo de Filmes e Palestras do Cine-Clube Socioambiental Crisantempo é gratuito, ocorre em todas as quartas-feiras, sempre das 19h30 às 22h, até 3 de dezembro.


abraço,

Danila

Polêmica disse...

Isso é de indignar qualquer um. Os líderes dos países mais poderosos do mundo têm sim condições de melhorar a vida de todas as pessoas que precisam mas, querem o dinheiro para eles, o dinheiro que é nosso e deveria ser usado conosco! Para salvar banqueiro sempre tem dinheir e para matar a fome nunca tem nada, que absurdo.

Beijão!