segunda-feira, 27 de outubro de 2008

De et para et

Tronco boiando não adianta não
É como se iludir
Você não afunda, mas segue o rio
Até a hora de cair
Você percebe que o tempo se vai
Como as águas de um rio
Vai se afastando, se encolhe mais
Deixando um vácuo, um vazio
Voltar, voltar, voltar
Não tem por onde. Onde?!
Você está solto, pode se afundar
Ou pode se controlar! Lá, lá!

Forte e grande é você!
Forte e grande é você!

Ondas gigantes e o fundo do mar
Desconhecido funil
Girando em torno da sua emoção
Cheia de medo e de frio
Até, até, até os ossos rangem. Rangem.
Tronco boiando, boiando, não adianta não
Você não afunda, não afunda
Mas segue o rio
Você está solto, pode se afundar
Ou pode se levantar! Tá, tá!

Forte e grande é você!
Quem é você?

Você percebe que o tempo se vai
Desconhecido funil.

Letra: Cólera

--------

De legião a cólera.
alguém entende?
foda-se.
Amanhã, quem sabe.
Hoje. Estamos em pé!