terça-feira, 22 de julho de 2008

Chicken´s Call em Londrina

Fotos por Ivan Nishi

Aconteceu na última quinta, dia 17/07/2008, o show da banda anarquista Chicken´s Call em Londrina, no bar Strettos.

O local foi bem diferente dos espaços que conheceram no México, onde visitaram um bairro inteiro de squats em Queretaro. Apesar da bebida cara e o espaço pequeno, os trabalhadores foram muito simpáticos e a sonzera comeu solta. Só ficamos devendo uma estrutura mais "autogerida", quem sabe um dia..

Infelizmente as bandas tocaram pouco tempo e ao final ficou apenas o quero mais. Os Prekários abriram ameaçando os poderosos com seu punk e, graças a uma garota desvairada que começou a empurrar todo mundo, a galera começou a agitar de verdade. Em seguida, veio o hardcore, estilo "Pitty"?, da Surface, os franceses gostaram mas espero que se soltem mais nos próximos, notei q os punk´s não se empolgaram. Eu gostei, tenho certeza q ainda podem crescer e de quebra me sortearam e ganhei um cd!! (heheh, não me compraram! pode parar! soy um chico anticapitalista! não me vendo por qqr cd de hardcore, rs)..

Até esse momento os franceses estavam vendendo os CD´s caseiros, DIY, da turne no Brasil por apenas 5 pilas, botons da banda e antiautoritários por 1 real, camisetas por R$12 e patch´s por 3 reais eu acho.. Tudo muito barato, bem bacana! Achei engraçado pois o patch q eu queria comprar, de uma bike com o símbolo da anarquia, o cara não quis me vender!! rs... Mas tudo bem, deu pra sacar o estilo anti-capitalista desse pessoal que dá cursos de culinária vegetariana pelas ocupações européias.

Botando os instrumentos para funcionar eles arrebentaram!! O som é equilibrado. Pena que durou pouco e correram para o Rio onde fizeram as últimas 2 apresentações no Brasil, seria bom trocar idéias sobre a quantas o movimento libertário na frança e por onde tem passado. Só posso recomendar alguns link´s para quem quiser saber mais:

Site Oficial - Chicken´s Call / Entrevista em português com a banda

Depois do show rolou forte troca de idéias com um camarada, até q nos expulsarem do bar quase 2 da matina. "Respeito tua espiritualidade, mas não acredito, não existe um deus, só existe o amor"!!, recomendo que você escute o reggae "No Dios Vendra" dos espanhóis Los Tostones para entender. Brincadeiras a parte, nos entendemos mais do que nos desentendemos. :D

5 comentários:

May disse...

eita, fazendo vontade pros coitados q naum foram, neh?! bunitooooo, heheheeh... q massa!!!

Lucas disse...

hehehehe.. falta de convite não foi ;p

Lucas disse...

Comentário interessante que encontrei:

Camaradas,
A questão, conforme compreendo, é a seguinte: em uma sociedade anarquista, seja essa sociedade um pequeno ou um grande grupo, deve haver espaço para aqueles que acreditam em Deus, quanto para os que não acreditam. A crença em uma coisa ou em outra não é impecilho para uma equilibrada organização econômica e social.
Libertários como Leon Tolstoi - todos nós sabemos disso - eram cristãos. Mais que isso: militantes como José Oiticica e Maria Lacerda de Moura eram rosacruz, e nem por isso deixaram de serem anarquistas.
O próprio Bakunin - podemos ver isso no "textos escolhidos", de Daniel Guérin - embora fosse ateu, afirmava que, desde que sustentados pelos próprios fiéis, os templos teriam o direito de permanecerem de pé.
O lance é o seguinte: as igrejas utilizam a fé do povo para manter a sociedade sob controle e para extorquir dinheiro da população. Em um sistema socialista libertário - anarquista -, a hierarquia tendo sido substituída pela cooperação entre os indivíduos, a religião e a espiritualidade poderão se desenvolver livremente. Ora, religião e igrejas são coisas diferentes: Religião quer dizer re-ligar, reunir o ser humano a Deus (da mesma forma que anarquia não significa desordem, mas "sem governo"). A maioria das igrejas não re-ligam o homem a Deus. E mais: as igrejas apresentam deus como um tirano, um carrasco que castiga quem pisa na bola, e isso é uma concepção equivocada de Deus, que tem a ver com a forma através da qual os mais antigos o compreendiam.
Na minha opinião, entre os libertários essa é apenas uma questão de terminologia. Acredito que Deus é o Amor, e não a autoridade, e só o amor é capaz de dar fim ao autoritarismo, a guerra permanente e o ódio. Mas se deus é o amor, deus não existe, só existe o amor. Mas, cada qual com seu cada qual. ehehehe..

Ivan Nishi disse...

Ai Galera do Vida Operária!

Valeu pelo link ai das fotos!

Vou linkar vcs no meu blog !

vlw!

Lucas disse...

aopa Ivan!! Fico feliz que você nos descobriu!! :D Nós é que agradecemos pelas fotos!! Me fala o endereço do teu blog rapaiz! não achei aqui.. valeu!!