sábado, 31 de maio de 2008

Feiras do produtor em Londrina

Na terra dos pés vermelhos..
Todo dia, é dia de feira!
Há algum tempo na cidade, noto que ser anarquista em Londrina é algo raro. Fato justificável por questões históricas, a cidade foi criada oficialmente, segundo o site da prefeitura, em 1934. O influente movimentos anarquista, anarco-sindicalista, nessa época já era duramente reprimidos. Imigrantes expulsos de suas cidades e até do país, ou presos e enviados para um dos campos concentração brasileiros, como na Colônia Penal de Clevelândia do Norte, inaugurada oficialmente em 5 de maio de 1922. Com a presença da Companhia de Terras Norte do Paraná, imagino que não deveria ser simples configurar qualquer movimento de resistência nesse solo vermelho do palmito e do café.

Por outro lado, apesar de desconhecer na história da cidade a preseça de qualquer movimento vegetariano coletivo mais orgânico ou organizado, ser vegan em Londrina é um imenso prazer. Conheci, no pouco tempo que aqui estou, pessoas maravilhosas que compartilham essa forma de levar a vida, que buscam diariamente uma maior harmonia social, com os animais e o meio ambiente. É interessante ver que essas pessoas se fazem vivas na sociedade, pacíficas e cordiais, procuram interagir e se integrar. Levantaram voz ativa contra o rodeio e procuram constantemente difundir suas idéias e práticas. Pode parecer pouco, mas fazer parte de um movimento vivo e em franco crescimento é muito bom.

Outro fator importante são as feiras! Na terra dos pés vermelhos todo dia é dia de feira. É possível adquirir alimentos, mais baratos do que nos mercados, e melhor! Sem se estressar com filas e caixas eletrônicos que nem sempre funcionam, com a impessoalidade tão necessária ao profissionalismo dessas grandes redes. É bom fugir do abuso publicitário, dos templos do consumo fácil e, na maioria das vezes, impensado(no sentido de não refletir sobre a real necessidade e a conseqüência daquilo que se adquire).

A única crítica necessária é que, até agora, com exceção do broto de feijão, não encontramos produtos orgânicos nas feiras londrinenses. É o extremo oposto das pequenas cidades no Paraná, como Cianorte, onde alimentos livres de agrotóxico geralmente são mais baratos e vendidos na feira. Aqui, nos grandes mercados os orgânicos são vendidos como mercadorias de luxo, a preço de luxo, os latifundiários que produzem e enriquecem jogando veneno no prato alheio, e os grandes pecuaristas, devem consumi-los já que estão na classe dos poucos que podem pagar por eles. Nós, operári@s, a maioria que não pode pagar por um plano de saúde, somos obrigad@s a ingerir alimentos envenenados.

É tempo de se organizar para mudar essa estrutura, uma boa iniciativa vem de Cascavel no Paraná, onde um grupo de amig@s (BURUCUTU) se uniram e formaram uma cooperativa de consumidor@s. Organizada de maneira sistêmica, não-hierárquica e informal, periodicamente adquirem produtos em maior quantidade diretamente dos produtores orgânicos, e assim, além de comprarem a preços mais baixos, incentivam economicamente a produção de alimentos saudáveis e ecológicos. Se um pequeno produtor que utiliza agrotóxico notar que seu vizinho, que trabalha a agroecologia, está vendendo antes mesmo de colher ele saberá que esse é um bom negócio, que vale a pena realizar treinamentos e adaptar suas terras. Além disso, esse mutualismo permite que os grupos se aproximem, produtores e consumidores passam a dialogar de forma mais pessoal, como amigos, afastando o relacionamento frio-capitalista-profissional que rege o grande "mundo dos negócios". Não é apenas consumo consciente, se unidos, podemos ir mais longe ainda, organizar ou apoiar eventos, como o encontro cultural ecológico, e difundir a paz e suas concepções de vida saudável.

Não se limita a isso, mas posso afirmar que é a revolução acontecendo antes que os revolucionários tradicionais se dêem conta. Nós queremos fazer parte dela. Tenciona-se a sociedade no seu cotidiano, espera-se tornar cotidiano o desejo de uma vida integral, o hábito da ação para isso, e ir além..
Bom, chega de tralalá. Lista de feiras:
Lista das Feiras em Londrina

Agora que você já sabe onde e quando acontecem as feiras: Boa diversão! Os feirantes costumam ser muito simpáticos e divertidos, pode parecer exagerado mas com o tempo os laços de amizade se fortalecem e, por mais que compremos pouco com dinheiro trocado, a relação humana estabelecida não diminui de intensidade, aumenta, é muito prazeirosa e enriquecedora.

sexta-feira, 16 de maio de 2008

Oi

Sejam bem vindos ao nosso Blog!

Em breve isso terá alguma utilidade. ;p

De Londrina, abraços solidários.

Lucas