quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Imagens contam sua História

Exposição Fotográfica:
Por: Marta Lucena e Célio Costa

Dia 30/11/2008 - 9h
Na Feira do Produtor
R. Benjamin Constant
No Centro - Londrina, PR

---

Outro dia, publicamos um texto sobre as Feiras em Londrina aqui no blog. Foi uma grande surpresa, e um grande presente: a frase inicial foi utilizada na abertura desse trabalho. Convidamos todos para a exposição da Marta Lucena e do Célio Costa. ;)

Na terra dos pés vermelhos...
todo dia, é dia de Feira

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Receita: Bolo vegan da Tia Cleuza

Aproveito que estou sem tempo para escrever..

E presenteio vocês com essa magnífica receita
que fizemos esse final de semana.

Massa para bolo vegan que minha tia Cleuza ensinou.
O bacana é que ela substitui os ovos, pela maçã.



Misture os igredientes secos, depois os molhados.
Se preferir, penere o chocolate em pó para ficar uniforme a massa.
Aí vai:
2 xícaras de Farinha (branca,normal)
1 xícara de chocolate em pó
1 xícara de açúcar
1 colher de fermento em pó
3 colheres de óleo
1 xícara de água fervente
2 maçãs pequenas, batidas no liquidificador com casca mesmo e sem sementes.

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

É rápido, mas não vai doer

Texto do Neto, diretor de criação e sócio da Bullet, sobre a crise mundial.

"Vou fazer um slideshow para você.
Está preparado? É comum, você já viu essas imagens antes.
Quem sabe até já se acostumou com elas.
Começa com aquelas crianças famintas da África.
Aquelas com os ossos visíveis por baixo da pele.
Aquelas com moscas nos olhos.
Os slides se sucedem.
Êxodos de populações inteiras.
Gente faminta.
Gente pobre.
Gente sem futuro.
Durante décadas, vimos essas imagens.
No Discovery Channel, na National Geographic, nos concursos de foto.
Algumas viraram até objetos de arte, em livros de fotógrafos renomados.
São imagens de miséria que comovem.
São imagens que criam plataformas de governo.
Criam ONGs.
Criam entidades.
Criam movimentos sociais.
A miséria pelo mundo, seja em Uganda ou no Ceará, na Índia ou em Bogotá sensibiliza.
Ano após ano, discutiu-se o que fazer.
Anos de pressão para sensibilizar uma infinidade de líderes que se sucederam nas nações mais poderosas do planeta.
Dizem que 40 bilhões de dólares seriam necessários para resolver o problema da fome no mundo.
Resolver, capicce?
Extinguir.
Não haveria mais nenhum menininho terrivelmente magro e sem futuro, em nenhum canto do planeta.
Não sei como calcularam este número.
Mas digamos que esteja subestimado.
Digamos que seja o dobro.
Ou o triplo.
Com 120 bilhões o mundo seria um lugar mais justo.
Não houve passeata, discurso político ou filosófico ou foto que sensibilizasse.
Não houve documentário, ong, lobby ou pressão que resolvesse.
Mas em uma semana, os mesmos líderes, as mesmas potências, tiraram da cartola 2.2 trilhões de dólares (700 bi nos EUA, 1.5 tri na Europa) para salvar da fome quem já estava de barriga cheia."
Como uma pessoa comentou, é uma pena que esse texto só esteja em blogs e não na mídia de massa, essa mesma que sabe muito bem dar tapa e afagar. Se quiser, repasse, se não, o que importa? O nosso almoço tá garantido mesmo...


----------

E um vídeo que ví, achei o final muito happy end viajado, + gostei de muitas coisas: O buraco branco no espaço

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

De et para et

Tronco boiando não adianta não
É como se iludir
Você não afunda, mas segue o rio
Até a hora de cair
Você percebe que o tempo se vai
Como as águas de um rio
Vai se afastando, se encolhe mais
Deixando um vácuo, um vazio
Voltar, voltar, voltar
Não tem por onde. Onde?!
Você está solto, pode se afundar
Ou pode se controlar! Lá, lá!

Forte e grande é você!
Forte e grande é você!

Ondas gigantes e o fundo do mar
Desconhecido funil
Girando em torno da sua emoção
Cheia de medo e de frio
Até, até, até os ossos rangem. Rangem.
Tronco boiando, boiando, não adianta não
Você não afunda, não afunda
Mas segue o rio
Você está solto, pode se afundar
Ou pode se levantar! Tá, tá!

Forte e grande é você!
Quem é você?

Você percebe que o tempo se vai
Desconhecido funil.

Letra: Cólera

--------

De legião a cólera.
alguém entende?
foda-se.
Amanhã, quem sabe.
Hoje. Estamos em pé!

A montanha mágica

Sou meu próprio líder: ando em círculos
Me equilibro entre dias e noites
Minha vida toda espera algo de mim
Meio-sorriso, meia-lua, toda tarde

Minha papoula da Índia
Minha flor da Tailândia
És o que tenho de suave
E me fazes tão mal

Ficou logo o que tinha ido embora
Estou só um pouco cansado
Não sei se isto termina logo
Meu joelho dói
E não há nada a fazer agora

Para que servem os anjos?
A felicidade mora aqui comigo
Até segunda ordem

Um outro agora vive minha vida
Sei o que ele sonha, pensa e sente
Não é por incidência a minha indiferença
Sou uma cópia do que faço
O que temos é o que nos resta
E estamos querendo demais

Minha papoula da Índia
Minha flor da Tailândia
És o que tenho de suave
E me fazes tão mal

Existe um descontrole, que corrompe e cresce
Pode até ser, mais estou pronto prá mais uma
O que é que desvirtua e ensina?
O que fizemos de nossas próprias vidas


O mecanismo da amizade,
A matemática dos amantes
Agora só artesanato:
O resto são escombros

Mas, é claro que não vamos lhe fazer mal
Nem é por isso que estamos aqui
Cada criança com seu próprio canivete
Cada líder com seu próprio 38

Minha papoula da Índia
Minha flor da Tailândia

Chega, vou mudar a minha vida
Deixa o copo encher até a borda
Que eu quero um dia de sol
Num copo d'água


Renato Russo
Legião Urbana

 Legião Urbana - A Montanha Mágica

--------

Hoje me deu vontade de reler Thomas Mann, ou Herman Hess.

Relembrar um passado distinto
que se confunde com o presente
e aponta para o futuro.

Pena. Que já não tenho tempo para isso.
Não agora. Quem sabe, ao final do ano.

sábado, 25 de outubro de 2008

A lei


Este caso da parteira merece sérias reflexões que tendem a interrogar sobre a serventia da lei.

Uma senhora, separada do marido, muito naturalmente quer conservar em sua companhia a filha; e muito naturalmente também não quer viver isolada e cede, por isto ou aquilo, a uma inclinação amorosa.

O caso se complica com uma gravidez e para que a lei, baseada em uma moral que já se findou, não lhe tire a filha, procura uma conhecida, sua amiga, a fim de provocar um aborto de forma a não se comprometer.

Vê-se bem que na intromissão da "curiosa" não houve nenhuma espécie de interesse subalterno, não foi questão de dinheiro. O que houve foi simplesmente camaradagem, amizade, vontade de servir a uma amiga, de livrá-la de uma terrível situação.

Aos olhos de todos, é um ato digno, porque, mais do que o amor, a amizade se impõe.

Acontece que a sua intervenção foi desastrosa e lá vem a lei, os regulamentos, a polícia, os inquéritos, os peritos, a faculdade e berram: você é uma criminosa! você quis impedir que nascesse mais um homem para aborrecer-se com a vida!

Berram e levam a pobre mulher para os autos, para a justiça, para a chicana, para os depoimentos, para essa via-sacra da justiça, que talvez o próprio Cristo não percorresse com resignação.

A parteira, mulher humilde, temerosa das leis, que não conhecia, amedrontada com a prisão, onde nunca esperava parar, mata-se.

Reflitamos, agora; não é estúpida a lei que, para proteger uma vida provável, sacrifica duas? Sim, duas porque a outra procurou a morte para que a lei não lhe tirasse a filha. De que vale a lei?

Lima Barreto
Vida urbana, 07/01/1915

-------

Lima Barreto, além de escritor, jornalista, anarquista e incansável defensor da classe operária, sempre foi um grande pedagogo e crítico social. Seus escritos ainda hoje nos fazem pensar e entender a realidade. Viva Barreto! Eterno em nossos corações.

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Software Livre

Universidade pública,
"gratuita" e de qualidade

só é possível com Software Livre

Software livre é um programa de computador que garante ao usuário algumas liberdades básicas: a de ser utilizado, copiado, estudado e até alterado e distribuído de forma irrestrita. Dessa forma, aqueles que utilizam e defendem o software livre baseiam suas relações em princípios solidariedade e compartilhamento do saber. A universidade pública, em princípio, funciona da mesma forma, ela se torna pública, gratuita e de qualidade ao permitir o acesso, permanecer autônoma perante governos e corporações e criar condições para que o conhecimento seja produzido e difundido. E isso só é possível com o Software Livre. Enquanto o Software Proprietário(não-livre) e a pirataria auxiliam a manter o monopópio de programas de computador, empurram os usuários para a marginalidade e criam cidadões dependentes, o Software Livre fortalece a solidariedade e a economia local ao aproximar os usuários e garantir que a renda investida em um sistema computacional permaneça em circulação e não “morra” em contas extrangeiras. Isso também é possível pois ele não é necessáriamente um software gratuito e, quando gratuito, organizações podem explorá-lo comercialmente oferecendo serviços de desenvolvimento, manutenção e suporte. Mais que uma bela utopia, o Software Livre se materializou na última década como uma alternativa real ao monopólio de software que estava se consolidando em torno de algumas empresas e a exclusão digital. Hoje já é possível realizar desde as atividades mais simples, como acessar a internet e ler email´s, até as mais complexas, como produzir animações tridimensionais em alta qualidade em software livre. Então porque não usá-lo? Mais que isso: é preciso incentivar sua difusão pelo apoio aos grupos de usuários, criação de programas, organização de eventos relativos ao tema e capacitação dos usuários.


Maiores informações em:
Wikipedia - Software Livre

* Esse texto me foi solicitado pela galera do campo "Barricadas",(muitos são integreantes do PSOL), que estão construindo uma tese para o congresso do DCE-UEL.

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Liberdade

Perceber aquilo que se tem de bom no viver é um dom
Daqui não
Eu vivo a vida na ilusão
Entre o chão e os ares
Vou sonhando em outros ares, vou
Fingindo ser o que eu já sou
Fingindo ser o que já sou
Mesmo sem me libertar eu vou

É Deus, parece que vai ser nós dois até o final
Eu vou ver o jogo se realizar de um lugar seguro

De que vale ser aqui
De que vale ser aqui
Onde a vida é de sonhar?
Liberdade

Marcelo Camelo



Não é porque hoje tem cover dos los hermanos.( Matita Perê )
Estou ouvindo o cd Sólo do barbudo.
Recomendo.
Gostei.

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Ídolos: rede record

Sim, a merda da televisão estava ligada.
Mesmo após as desafinações..
os jurados soltavam seus comentários exagerados
e toscos.
Isso tudo não me cheira bem.


"Essa noite está sendo um prazer estar aqui sentado"
jurado do ídolos comentando as apresentações

"parece ter saído de suas vísceras"
jurado do ídolos comentando as apresentações

Víscera: do Latim viscera, pl. de viscus, entranhas

s. f., designação genérica dada aos órgãos mais importantes alojados nas cavidades torácica e abdominal;

(no pl. ) entranhas;
(no pl. ) intestinos.




.deliguei a televisão.

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Audiência sobre a Usina Mauá

Sexta, 10 de outubro às 14:00 horas na Câmara Municipal de Londrina.

Em debate:

1-) Os estudos de impacto estão sendo conduzidos separadamente para cada usina, sem considerar os efeitos cumulativos das 08 usinas (UHEs) pretendidas no rio Tibagi;

2-) Os estudos ambientais apresentados apenas para a UHE Mauá, já apontam a EUTROFIZAÇÃO do reservatório, com ambiente propício à criação de algas que liberam toxinas cancerígenas na água;

3-) As áreas a serem alagadas contém matas únicas, depósitos de resíduos, túneis de mineração, estes últimos que segundo laudo apresentado, irão tornar o Tibagi um caldo de metais pesados, prejudicando sua qualidade para abastecimento;

4-) Os estudos ambientais apresentados apontam que o rio de correnteza depura (limpa) com eficiência as águas, e que a partir de sua transformação em ambientes lênticos (reservatórios), perderá essa
capacidade de depuração.

É CERTA A PERDA DA QUALIDADE DA ÁGUA QUE ABASTECE LONDRINA, COM SÉRIOS PREJUÍZOS À POPULAÇÃO ATUAL E COMPROMETIMENTO DA QUALIDADE DE VIDA DAS FUTURAS GERAÇÕES.

O PREÇO DA ÁGUA IRÁ AUMENTAR SEVERAMENTE AO LONGO DOS PRÓXIMOS ANOS, COM NECESSIDADE DE MAIS TRATAMENTO, E MENOS QUALIDADE.

A DESTRUIÇÃO DAS MARGENS DO RIO ESTÁ SE INICIANDO, MAS AINDA É "POUCO" PERTO DA CATÁSTROFE ANUNCIADA COM DESTRUIÇÃO DE 8.000 HECTARES (80.000.000 de m2) DE MATAS CILIARES, SOMENTE PARA A PRIMEIRA USINA (MAUÁ)



Contato:
Carlos Eduardo Levy
OAB-PR 33.868
Avenida Duque de Caxias 1980 sl 304
Londrina-PR
(43) 3356-4658 / 9107-6931

Vamos lá!

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Hum..



Poxa, se eu soubesse que era fácil
Tinha experimentado isso antes.

Não respeita a estética da padaria, ehauehu, é verdade.

Mas, ficou muito bom!

Tomei como base essa Torta de banana Maria

Incluí granola e aveia na parte seca.. ;D Recomendo!

Momentos de mistério...


Acabei de inventar uma torta vegan integral muito doida
de banana, canela, granola e aveia.

Tá no forno.

Será que vai dar certo?

auehueahu..

Se der eu aviso, se não der, o que é muito provável, faço logo uma queima de arquivo desse post aqui. heheh..


E quem se interessar, veja o post abaixo sobre o encontro de vegetarianos em Maringá.

Quem estiver afim de ir me avisa.

Encontro Vegetariano em Maringá



Será realizado um encontro vegetariano em Maringá nesse dia 12/10/2008.

Estamos organizando uma van que sairá de Londrina para lá.

Interessados me avisem. Emai: oigodoy @ yahoo.com.br

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

é coisa de maluco

Acessem o google translator e solicitem a tradução da frase:

"USA é o país que mais polui no mundo.”

Ou então:

"USA é comandado por Bush".

Do português para o inglês

Atalho para consultar direto:

"USA é o país que mais polui no mundo.”
"USA é comandado por Bush".


hehehe.. ;D

terça-feira, 30 de setembro de 2008

Calypso e Paralamas

"Os talentos já pertencem a indústria
muito antes de serem lançados por ela"


Depois de ter visto isso:



Herbert Vianna, Paralamas, Calypso, Joelma e Chimbinha..

Essa frase do Adorno não me sai da cabeça!

"Os talentos já pertencem a indústria
muito antes de serem lançados por ela"


Viva a indústria cultural!? Coca-cola!? oO

Poxa desculpem, chutei o nível hoje, pra baixo.. heheh..

É, essa reunião aí surpreendeu muita gente!

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Como desmascarar um político



Ato 1:

Político entra no Orkut na comunidade da cidade em que é candidato e posta uma pesquisa eleitoral que indica que sua legenda é lider nas pesquisas.

Ato 2: Provocamos com o veneno que eles mesmo criaram:

Resolução 22.718
É por essas e outras que eu voto nulo. Os caras não conhecem nem a lei!
O jeito é denunciar..

Por favor, veja:

http://www.tse.gov.br/downloads/eleicoes2008/r22718.pdf

‘A propaganda eleitoral na Internet somente será permitida na página do candidato destinada exclusivamente à campanha eleitoral.’


Ato 3: Político fica preocupado com sua situação e imagem e responde prontamente:

Companheiro..

Eu sei que peguei muito forte no que coloquei, mas, porém, não se trata de propaganda eleitoral, mas sim, de mera reprodução do que está publicado no site do jornal de Londrina (coloquei o link, confira). No final fiz considerações, mas nada vinculado a propaganda.

Vejo que é uma pessoa muito atenta e do ramo do Direito, por isso quanto a Resolução 22.718, que trata da propaganda eleitoral, peço para que verifique as jurisprudências do TRE e TSE que então Vossa Excelência, verá o que vem sendo decidido pelos Egrégios Tribunais.
Ou então, para ser mais fácil e prático, entre no site da Gazeta do Povo www.gazetadopovo.com.br ou Folha de São Paulo, digite no campo de procura = Orkut propaganda eleitoral, que V. Exa. terá também as informações.

abraços


Ato 4: Então damos a provocada final:

primeiro que não sou companheiro de político. rs..

segundo, tudo bem, juridicamente você pode estar certo, a justiça sempre dá suas brechas. Mas.. na prática sabemos o que você queria publicando essas informações aqui, não foi meramente informativo, uma vez que para obtermos informações temos disponíveis uma série de jornais, rádios, tv, e etc. Como você muito bem citou.


Ato Final: Caí a máscara, político admite:

Você é esperto, matou minha jogada. Só gostaria que entedesse meu lado, estamos cansados de apanhar e sofrer falsas acusações, quando vem uma notícia positiva, a vontade é de mostrar mesmo, mostrar que é com trabalho e projetos que ganha voto e não com acusações, panfletos, baixaria etc...

de qualquer forma, obrigado por contribuir com o debate.


----------------

tsc. está lá para todos que quiserem ver na comunidade da cidade de Londrina. O cidadão admite que é corrupto e está dando um jeitinho para burlar a lei sem papas na língua. Se faz isso agora, imagina quando estiver eleito?


Eu ein! Eu voto é nulo!

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Receita: Pão de "queijo" Vegan



Igredientes:

1 colher (s) de fermento em pó
4 xícaras de chá cheias de polvilho doce
1 xícara de chá cheia de polvilho azedo
3 batatas ou mandioquinhas médias (cerca de 400g) cozidas, descascadas e espremidas (tipo purê)
1/3 de xícara de chá de óleo bem quente (ponto de fritura)
1 xícara de água bem quente
Sal a gosto (cerca de 1 colher de sopa cheia)
Ervas finas como orégano, majerona e manjericão desidratados à gosto (opcional)

Modo de Preparo:
Misture, primeiramente, todos os ingredientes secos. Acrescente o purê, misturando. Agora o óleo. Por último, depois de tudo pronto, a água. Moldar em bolinhas e assar em forno pré-aquecido a 200 graus por 20 a 30 minutos.

-------

Muito boa receita!! Deu 100% certo na segunda vez q eu fiz, também coloquei um pouco curry e bem pouca pimenta calabresa. Delícia!!

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Solidariedade


É comum imaginar que trabalhamos em fábricas. E isso está certo! Mas quando se tem esse tipo de idéia na cabeça imagina-se a fábrica tradicional, antiga, como é representada nos filmes realistas, com espaço físico fixo e produção de mercadorias imediatas. E de fato, muit@s operári@s, ainda trabalham nelas. No nosso caso, somos reflexo de um novo tempo, as fábricas de hoje estão perdendo a forma tradicional, na era digital trabalha-se pela internet, pelo telefone, alguns até em casa, o próprio homem assume papel de máquina? Massificado e mecanizado, passa ser uma extensão das máquinas?..

Enfim, é realmente difícil compreender porque nos consideramos operári@s em um contexto como esse, a própria palavra "operári@" assume um peso arcaico que tende ao desuso. Por esse motivo, pela péssimas condições de trabalho, talvez por rejeitarem de forma inconsciente esse mundo abstrato e também pela pressão da ideologia dominante, muitos de nós apenas se dizem trabalhadores, estudantes, funcionários ou profissionais. Alguns ainda nem se reconhecem como tal, assumindo não-intencionalmente um preconceito burguês, encaram a jornada de estudo/trabalho como mera obrigação temporária da qual esperam se libertar em breve para assumir uma profissão "superior", quem sabe até um cargo de chefia, se especializar, concluir uma universidade parece ser um requisito para isso, ou simplesmente passar em um concurso público. Dessa forma também não procuram criar laços de solidariedade e permanecem ainda mais vulneráveis as modernas brutalidades das metas, horas extra, essas "novas" formas de remuneração que, embebidas na lógica capitalista, em teoria prometem um ganho superior para os mais esforçados mas, na prática, são tão cruéis como o chicote do feitor.

Seja lá como for, em nosso caso, nos consideramos operários pela identificação com uma classe e com a história de um povo que sempre lutou por melhores condições de vida.

Reconhecemos e valorizamos as lutas do passado pois elas possibilitaram a conquista de vários direitos. E se tais vitórias não foram suficientes para dar fim a nossa opressão, ao menos ampliaram a margem de diálogo para que briguemos por isso. Reconhecemos no discurso dos velhos irmãos e irmãs nossos sonhos e idéias presentes. Entendendemos a realidade e sabemos que não estamos desconectados das caraterísticas e da velocidade atual, bem como ainda existem laços que nos ligam inevitavelmente a nossa história. Agora mais preocupados com a gestão da vida em um planeta em destruição seguimos em frente, solidários, sempre.

Enquanto alguns se esforçaram ao máximo para apagar da história a identidade operária, nós, estamos cientes dos laços que nos unem com trabalhadores de todo o mundo. E resgatar a nossa história é de fundamental importância, como lí em certo jornal anarcosindicalista português, em citação a um autor que não me lembro o nome: "a luta do oprimido contra o dominante, também é a luta da memória contra o esquecimento".

É difícil progredir no ponto que chegamos, o isolamento parece uma barreira inquebrável, mas basta sacudir a estrutura que a reação é rápida e violenta. Se o medo é tão forte, talvez a estrutura não seja. O importante é agir. Materializar a luta e a nossa presença. Perder o medo. Aprender a enfrentar. Solidarizar. Criar e transformar. Ocupar. Buscar prazer. É isso, a revolução.

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Receita: Garapa de Couve



Igredientes:

2 Folhas de couve média (sem o talo - a parte do meio da folha)
1 litro de água gelada
2 limões (espremido - o suco do limão)
*açúcar mascavo

Modo de Preparo:
Bata a couve no liquidificador, com o limão espremido(suco do limão) e a água, junte o açúcar mascavo até ficar doce e gostoso! pronto para beber! Mais fácil impossível!! ;D

----

E é possível fazer umas experiências, se precisar de mais limão ou menos couve você vai adaptando, essas coisas é ao gosto. Também da para misturar um pouco de abacaxi, inventar coisas um pouco mais diferentes, fica bom também, mas a receita tradicional é essa aí de cima. Essa passa até no teste do bafômetro. Pode enxer a cara e dirigir sem problemas, mas vai de bicicleta que é melhor.. ;D

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Rotina?

ainda estamos vivos..

E repúdiamos a construção de mais uma hidrelétrica:

FotoAtivismo


Vamos a feira:


Enchemos a cara com (a poderosa) garapa de couve:


Aprendemos com os amigos que é inteligente consumir menos:

A história das coisas
Mídia Rebelde


E trabalhamos, e estudamos, nos divertimos..

Agora que estou morando sozinho, essa república ficou meio virtual, meio vazia. Mas a vida operária continua, muito trabalho, criando coisas realmente boas no tempo livre indisponível. Tudo isso é pouco, queremos mais..

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Encontro de vegetarianos em Londrina


No último domingo, dia 03/08/2008, foi realizado um encontro de vegetarianos em Londrina, no restaurante Tshu Shin Yuen. Compareceram umas 30 pessoas daqui e de Maringá. O legal foi a diversidade, várias faixas etárias, diferentes espiritualidades e profissões, eram muitos vegetarianos, alguns veganos e até uma crudivora. Depois do almoço e das altas trocas de experiências e "energias" realizamos uma reunião para pensar novos encontros e como divulgar o vegetarianismo/veganismo, surgiram milhares de idéias, happy hours, compras coletivas, verduradas e muitas outras coisas.

Já havia sido realizado antes um encontro em Maringá, mas esse foi o primeiro que participei. O próximo também deve acontecer em Maringá, no primeiro domingo do próximo mês. A idéia é ir fazendo um lá e outro aqui, além de fortalecer os laços de solidariedade e incentivar ações locais. Como existem muitas pessoas diferentes e sabemos que o principal interesse é a defesa dos animais, e a preocupação ambiental, foi decidido que o grupo iria se manter independente de partidos políticos e outras instituições, igrejas, governos e ongs. Isso significa que não nos submetemos a eles, mas nada impede que no futuro desenvolvamos ações conjuntas, desde que seja na respeitando as idéias do grupo. Divulgar o vegetarianismo/veganismo, defender os animais, preservar o meio ambiente, em defesa da vida..

A idéia também é criar um ambiente vivo, participativo, não muito formal.

O encontro foi muito inspirador, voltamos todos de espírito renovado. ;D

terça-feira, 22 de julho de 2008

Chicken´s Call em Londrina

Fotos por Ivan Nishi

Aconteceu na última quinta, dia 17/07/2008, o show da banda anarquista Chicken´s Call em Londrina, no bar Strettos.

O local foi bem diferente dos espaços que conheceram no México, onde visitaram um bairro inteiro de squats em Queretaro. Apesar da bebida cara e o espaço pequeno, os trabalhadores foram muito simpáticos e a sonzera comeu solta. Só ficamos devendo uma estrutura mais "autogerida", quem sabe um dia..

Infelizmente as bandas tocaram pouco tempo e ao final ficou apenas o quero mais. Os Prekários abriram ameaçando os poderosos com seu punk e, graças a uma garota desvairada que começou a empurrar todo mundo, a galera começou a agitar de verdade. Em seguida, veio o hardcore, estilo "Pitty"?, da Surface, os franceses gostaram mas espero que se soltem mais nos próximos, notei q os punk´s não se empolgaram. Eu gostei, tenho certeza q ainda podem crescer e de quebra me sortearam e ganhei um cd!! (heheh, não me compraram! pode parar! soy um chico anticapitalista! não me vendo por qqr cd de hardcore, rs)..

Até esse momento os franceses estavam vendendo os CD´s caseiros, DIY, da turne no Brasil por apenas 5 pilas, botons da banda e antiautoritários por 1 real, camisetas por R$12 e patch´s por 3 reais eu acho.. Tudo muito barato, bem bacana! Achei engraçado pois o patch q eu queria comprar, de uma bike com o símbolo da anarquia, o cara não quis me vender!! rs... Mas tudo bem, deu pra sacar o estilo anti-capitalista desse pessoal que dá cursos de culinária vegetariana pelas ocupações européias.

Botando os instrumentos para funcionar eles arrebentaram!! O som é equilibrado. Pena que durou pouco e correram para o Rio onde fizeram as últimas 2 apresentações no Brasil, seria bom trocar idéias sobre a quantas o movimento libertário na frança e por onde tem passado. Só posso recomendar alguns link´s para quem quiser saber mais:

Site Oficial - Chicken´s Call / Entrevista em português com a banda

Depois do show rolou forte troca de idéias com um camarada, até q nos expulsarem do bar quase 2 da matina. "Respeito tua espiritualidade, mas não acredito, não existe um deus, só existe o amor"!!, recomendo que você escute o reggae "No Dios Vendra" dos espanhóis Los Tostones para entender. Brincadeiras a parte, nos entendemos mais do que nos desentendemos. :D

sábado, 12 de julho de 2008

Lugares de Londrina.

Banda Chá de Chocalho na concha acústica

Os ambientes que compõe Londrina expressam muito sobre a realidade cultural e diversidade da cidade. A presença artística é marcante, principalmente nas artes cênicas e na variedade de estilos musicais. Na vida noturna além dos ambientes comuns de “baladas” existem muitos bares com música ao vivo e de qualidade, o que não apenas é atrativo ao público como oferece oportunidade para os músicos da cidade. No Bar Estação Café Brasil por exemplo, tem música ao vivo a semana toda, o bar contempla diferentes estilos: jazz, blues, reggae, samba-rock, mpb e outros. Também vale a pena conferir a programação dos bares Strettos e Menina dos Olhos.

O Valentino é antigo na cidade e além de abrir as portas para bandas locais também oferece espetáculos teatrais e bandas regionais e nacionais. Opção de ambiente agradável principalmente para casais é o Vilão, o lugar é lindo e tem um ótimo macarrão e carta de vinhos. As festas de república também são famosas e normalmente contam com bandas pra animar o dia ou a noite. Todo primeiro domingo do mês tem Quizomba na vila cultural, samba de altíssima qualidade e batucada! Vale a pena conferir. Pra fechar a noite há quem vá pro pátio São Miguel matar a fome e aqueles que marcam presença no Pé na Cova (poucos locais que não fecham na madrugada). Além disso? Tem muito mais...Londrina pode agradar a gregos e troianos, basta se informar. Essas são algumas dicas, mas ainda há muito mais que merece ser conhecido na cidade.

domingo, 22 de junho de 2008

Receita: Torta vegan gelada de Morango e Chocolate

Essa receita é para mostrar para os não-vegans que sim, nós comemos muito, muito bem, heheheh... Sobremesa vegan delícia!!!!


Ingredientes:


1 Lata de Leite Condensado de Soja
A mesma medida ( 1 lata ) de Leite de Soja
2 colheres de Amido de Milho (Maizena)
1 Bandeija de Morango
1 Barra de Chocolate Meio Amargo ou Amargo (Sem Leite - Ex. Arcor ou Garoto)
1 Caixa de Creme de Soja

Modo de preparo:

Lave e pique os morangos, reserve. Coloque em uma panela o leite condensado de soja. Utilize a lata(do leite condensado) para dissolver o amido de milho no leite de soja e em seguida misture com o leite condensado. Leve ao fogo médio e mexa até o ponto de mingau. Coloque em um refratário e deixe esfriar. Rale a barra de chocolate(como se fosse para fazer fondue, em raspas). Ferva água em uma panela e desligue. Utilize essa água para em banho maria derreter o chocolate ralado. Quando esse estiver derretido misture o creme de soja e mexa bem até ficar homogêneo. Agora que o creme branco já esfriou no refratário, coloque os morangos e cubra com o chocolate. Deixe esfriar e coloque na geladeira.

Algum tempo depois estará pronto! E delicioso!!

* Dica: o pessoal do http://coletivovida.blogspot.com/ substitui o morango pela cereja e disseram que também ficou muito bom! : )

segunda-feira, 16 de junho de 2008

Exibição do documentário: A Tornallom

Quando: Sexta-feira Dia 20/06 - 22h
Onde: DCE UEL - Centro

A tornallom é uma expressão típica das hortas ao redor da cidade de Valência, na Espanha. Quer dizer algo como mutirão. Literalmente significaria "intercâmbio de lombo" ou seja a troca não remunerada de trabalho, entre vizinhos. Eu te ajudo, você ajuda ao próximo, e o próximo ajuda a outra pessoa que, por sua vez, deve ajudar quem mais estiver precisando.



Em La Punta, tradicional zona de hortas, a agricultura familiar é uma tradição de séculos. Por exemplo. o sistema de irrigação ainda é do tempo que os árabes estiveram por lá.

As casas, e também toda uma cultura, estão ameaçados de extinção pelos interesses ligados à especulação imobiliária. Os moradores do bairro se organizam e fundam uma associação de moradores. Em um determinado momento da luta, já sentindo-se sem forças para resistir (a maioria dos moradores eram pessoas de mais de 60 anos) resolvem ir às assembléias de Okupas da cidade "pedir reforços".

O documentário conta a historia dessa bonita luta e da curiosa mistura e mútuo aprendizado que aconteceu. Os okupas aprenderam mais sobre a forma de vida daqueles agricultores (alguns passaram a se auto-denominar agropunks) e estes conheceram as propostas e formas de luta daqueles.

O Documentário pode ser adquirido na Editora Faísca.

terça-feira, 10 de junho de 2008

Restaurantes Vegetarianos em Londrina

Com muitas opções Vegans

Até agora, descobrimos essas três seis sete opções:

Restaurante Vegetariano Tshu Shin Yuen
Fica perto do Royal - Na Rua Sta Catarina. nº165
Fone: 43 3324-2017

Tchin Min – Restaurante Vegetariano
Próximo a J.K. - R. Sergipe, nº1754
Fone: 3028-6139

Formosa - Restaurante Vegetariano
** Mudou para a Rua Sergipe, nº 1389 ( Entre a av. Higienópolis e rua Belo horizonte )
Atendimento de segunda à sábado 11:00 às 14:30
Estacionamento conveniado na Rua Belo horizonte 561
Fone: 43 3341-7930

Jun Yu - Gastronomia vegetariana self-service (Aberto em abril de 2010)
Rua Paes Leme, 1253. Fone: 3324-2380
Próximo à Bandeirantes. Também é Taiwanês mas com um toque mais brasileiro, o local é bem bonito mas o preço também é um pouco mais alto que os demais.

Restaurante Girassol (Ligado ao núcleo Girassol, antigo núcleo Lua Sol)
Rua Moreira Cabral, 490. Jd Londrilar. Fone: 3324-3925
Horário do almoço: 11:30 ás 14:30
Ligue para confirmar mas eles também estavam servindo sopa entre as 18h e 20:30h

*Novo: Lanchonete e restaurante Ponto VEG (Aberto no início de 2013)
Av. São Paulo, 960. Fone: 3324-0854
Bem caseiro, servem almoço e lanche self service, tem opções de pães e bolos veganos.

------

Gasta-se em média de R$8 a R$15. Mas vale muito a pena visitar pois a comida é deliciosa e o atendimento é muito bom.

Para quem quer uma comida mais barata recomendamos os restaurantes Bonde Garfo e Tempero Manero ( com três lojas uma localizada no mesmo shoping do restaurante Formosa. ). Nesses locais um vegetariano pode encher a pança por apenas R$2,95!
Outra opção é o restaurante Sabor Natural, na rua Mato Grosso - nº325. No primeiro andar há um buffet vegetariano no qual pode-se comer a vontade por um preço fixo, com direito a suco e sobremesa(R$8,80 agora no começo de 2011) . Esse só não é 100% veg pois no no segundo andar oferecem um self service não vegetariano, por kilo. Mas fica a dica.

Confira também uma lista de sorveterias com opções veganas sem lactose em Londrina.

sábado, 31 de maio de 2008

Feiras do produtor em Londrina

Na terra dos pés vermelhos..
Todo dia, é dia de feira!
Há algum tempo na cidade, noto que ser anarquista em Londrina é algo raro. Fato justificável por questões históricas, a cidade foi criada oficialmente, segundo o site da prefeitura, em 1934. O influente movimentos anarquista, anarco-sindicalista, nessa época já era duramente reprimidos. Imigrantes expulsos de suas cidades e até do país, ou presos e enviados para um dos campos concentração brasileiros, como na Colônia Penal de Clevelândia do Norte, inaugurada oficialmente em 5 de maio de 1922. Com a presença da Companhia de Terras Norte do Paraná, imagino que não deveria ser simples configurar qualquer movimento de resistência nesse solo vermelho do palmito e do café.

Por outro lado, apesar de desconhecer na história da cidade a preseça de qualquer movimento vegetariano coletivo mais orgânico ou organizado, ser vegan em Londrina é um imenso prazer. Conheci, no pouco tempo que aqui estou, pessoas maravilhosas que compartilham essa forma de levar a vida, que buscam diariamente uma maior harmonia social, com os animais e o meio ambiente. É interessante ver que essas pessoas se fazem vivas na sociedade, pacíficas e cordiais, procuram interagir e se integrar. Levantaram voz ativa contra o rodeio e procuram constantemente difundir suas idéias e práticas. Pode parecer pouco, mas fazer parte de um movimento vivo e em franco crescimento é muito bom.

Outro fator importante são as feiras! Na terra dos pés vermelhos todo dia é dia de feira. É possível adquirir alimentos, mais baratos do que nos mercados, e melhor! Sem se estressar com filas e caixas eletrônicos que nem sempre funcionam, com a impessoalidade tão necessária ao profissionalismo dessas grandes redes. É bom fugir do abuso publicitário, dos templos do consumo fácil e, na maioria das vezes, impensado(no sentido de não refletir sobre a real necessidade e a conseqüência daquilo que se adquire).

A única crítica necessária é que, até agora, com exceção do broto de feijão, não encontramos produtos orgânicos nas feiras londrinenses. É o extremo oposto das pequenas cidades no Paraná, como Cianorte, onde alimentos livres de agrotóxico geralmente são mais baratos e vendidos na feira. Aqui, nos grandes mercados os orgânicos são vendidos como mercadorias de luxo, a preço de luxo, os latifundiários que produzem e enriquecem jogando veneno no prato alheio, e os grandes pecuaristas, devem consumi-los já que estão na classe dos poucos que podem pagar por eles. Nós, operári@s, a maioria que não pode pagar por um plano de saúde, somos obrigad@s a ingerir alimentos envenenados.

É tempo de se organizar para mudar essa estrutura, uma boa iniciativa vem de Cascavel no Paraná, onde um grupo de amig@s (BURUCUTU) se uniram e formaram uma cooperativa de consumidor@s. Organizada de maneira sistêmica, não-hierárquica e informal, periodicamente adquirem produtos em maior quantidade diretamente dos produtores orgânicos, e assim, além de comprarem a preços mais baixos, incentivam economicamente a produção de alimentos saudáveis e ecológicos. Se um pequeno produtor que utiliza agrotóxico notar que seu vizinho, que trabalha a agroecologia, está vendendo antes mesmo de colher ele saberá que esse é um bom negócio, que vale a pena realizar treinamentos e adaptar suas terras. Além disso, esse mutualismo permite que os grupos se aproximem, produtores e consumidores passam a dialogar de forma mais pessoal, como amigos, afastando o relacionamento frio-capitalista-profissional que rege o grande "mundo dos negócios". Não é apenas consumo consciente, se unidos, podemos ir mais longe ainda, organizar ou apoiar eventos, como o encontro cultural ecológico, e difundir a paz e suas concepções de vida saudável.

Não se limita a isso, mas posso afirmar que é a revolução acontecendo antes que os revolucionários tradicionais se dêem conta. Nós queremos fazer parte dela. Tenciona-se a sociedade no seu cotidiano, espera-se tornar cotidiano o desejo de uma vida integral, o hábito da ação para isso, e ir além..
Bom, chega de tralalá. Lista de feiras:
Lista das Feiras em Londrina

Agora que você já sabe onde e quando acontecem as feiras: Boa diversão! Os feirantes costumam ser muito simpáticos e divertidos, pode parecer exagerado mas com o tempo os laços de amizade se fortalecem e, por mais que compremos pouco com dinheiro trocado, a relação humana estabelecida não diminui de intensidade, aumenta, é muito prazeirosa e enriquecedora.

sexta-feira, 16 de maio de 2008

Oi

Sejam bem vindos ao nosso Blog!

Em breve isso terá alguma utilidade. ;p

De Londrina, abraços solidários.

Lucas